Categoria: Notícias

Por Sindipetro em 11/07/2019 13:07

ACT DOS TERCEIRIZADOS - Unificar a luta por emprego e direitos iguais

Os trabalhadores e trabalhadoras terceirizados da Petrobras têm enfrentado duros ataques, com demissões, rebaixamento de salários, aumento dos assédios, empresas descumprindo os Acordos Coletivos e condições de trabalho cada vez mais precárias. Nada disso é novidade, porém a situação piorou com o respaldo da nova lei trabalhista e a lei da terceirização. 

São as trabalhadoras e trabalhadores terceirizados que mais sofrem com as políticas dos governos, para atender a necessidade do lucro dos capitalistas e do processo de desindustrialização do país. O objetivo do governo Bolsonaro (PSL), assim como dos governos anteriores, é manter nosso país na condição de colônia dos Estados Unidos e do imperialismo europeu. Para estes países o que interessa é um Brasil agrário, exportador de matéria prima bruta, enquanto nosso povo trabalha feito escravo, o preço dos alimentos e dos combustíveis só aumenta e eles consumem nossas riquezas, deixando para nós um rastro de terras devastadas e muita pobreza. 

BELIVALDO PRIVATISTA
O Governo do Estado, de Belivaldo e Eliane (PSD e PT), também são responsáveis por isso. Empresas que por anos se beneficiaram com a isenção de impostos, fecham as portas, deixam os trabalhadores na pior situação e o governo nada faz. Foi assim com a Heringer e tantas outras. 
Sem nenhum constrangimento Belivaldo não contraria a venda das nossas reservas de gás recém descobertas. Não adianta enaltecer que Sergipe será o maior produtor de gás do país, se nosso povo não vai usufruir desta riqueza. O governador também defende a privatização da Fafen. Segundo foi noticiado pela imprensa local, Belivaldo defende a proposta de arrendamento da Fafen e diz que a Petrobras, o Governo Federal e o Governo do Estado precisam estar de mãos dadas diante disso. 


Tem caso de trabalhador que perdeu as esperanças de encontrar um emprego em Sergipe e tem recebido propostas absurdas de empresas em outros estados, de trabalhar por um salário miserável, recebendo por hora trabalhada, tendo que pagar por seu próprio alojamento e alimentação.

QUEREMOS TRABALHO E DIGNIDADE 

Precisamos unir e organizar trabalhadores empregados e desempregados, terceirizados e próprios, para resistir, lutar e mudar essa realidade. O período aberto da campanha salarial deve ter como objetivo nos fortalecer nesse sentido. Organizar comitês de base nos locais de trabalho, nos bairros e municípios, construindo uma ampla rede de solidariedade.

Chega de trabalhar e não usufruir da riqueza que nós produzimos, chega de desemprego. Dos governantes não queremos caridade, ou pena. Exigimos trabalho e condições dignas de vida.

Outras da mesma categoria:

+ Ver Todas as Notícias